Alexander Sapiro, compromisso com a dignidade humana

Superação é uma palavra que acompanha o Dr. Alexander Sapiro desde pequeno. Aos seis anos, saiu da Romênia em um navio cargueiro e atravessou o Atlântico para desembarcar no Brasil. Um país onde tudo era novo. Após chegar a Porto Alegre, ingressou em um grupo escolar e começou a estudar português, já que não era fluente. Nesse período auxiliava nas despesas trabalhando como engraxate e vendendo revistas nas saídas das matinês de cinema.   

Aos 10 anos, passou a ajudar nos cuidados com o pai, que recém havia descoberto ter diabetes. A Medicina passou a se tornar uma escolha natural. Graças à dedicação aos estudos, aos 18 anos passou na Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre (FFFCMPA). Ao terminar a graduação, fez residência em Pediatria no Hospital Santo Antônio da Criança, também na Capital gaúcha. Nessa mesma época, produziu um trabalho acadêmico – fruto da paixão por ler e escrever criado a partir do foco nos estudos de português – e o inscreveu em um congresso. Foi convidado por um pesquisador para uma especialização em Neonatologia nos Estados Unidos.  

O Dr.Sapiro atua no Hospital São Lucas da PUCRS há 41 anos. Lá viu a possibilidade de retribuir cada mão estendida que recebeu desde que chegou ao Brasil. “Na época passei pelo prédio sendo construído na Avenida Ipiranga e percebi que ali seria meu futuro. Que profissional não gostaria de trabalhar em um lugar assim, próximo à universidade e com tudo novo e moderno?”, indaga.

Professor da Escola de Medicina da PUCRS, Dr. Sapiro também é sinal de compromisso com a dignidade humana enquanto educador. Ele ministra uma disciplina chamada Aproximação à Prática Médica (APM). “O objetivo é apresentar os alunos às diferentes realidades em que eles atuarão futuramente. Para ser médico é importante colocar o pé no barro”, destaca. Além de coordenar a atuação social e voluntária da Escola de Medicina, o doutor foi um dos primeiros professores a levar os estudantes da PUCRS para o Campus Avançado da Amazônia, na cidade de Benjamin Constant (AM). Em um estágio de um mês, a equipe cruzava a região a bordo de um barco equipado com consultório, e atendia indígenas e ribeirinhas.

O Dr. Sapiro inspira pela sensibilidade e pela dedicação em zelar pela saúde. É por isso que sua trajetória é uma das quatro histórias que materializam o conjunto da atuação da Rede Marista.

Porque isso é cuidar das pessoas. É promover a vida. Isso é ser marista.


Conheça histórias de quem atua em outras áreas da Rede Marista: 

- Vera Pereira e Gleen Eduards | Educação e Social

- Verónica Rubí | Amazônia